Nova Zelândia: um exemplo de combate ao coronavírus

Combate à pandemia na Nova Zelândia é exemplo para outros países

Só de falarmos que, desde o início da pandemia até ontem (20/4), o número de casos de Covid-19 na Nova Zelândia chegou a 2.596 pessoas infectadas – apenas uma portadora do vírus no momento – e 26 mortos no total, já pode resumir um pouco do que vamos abordar neste texto. 

Jornais nacionais e internacionais dizem que um dos fatores que levaram o país a ser o melhor combatente à Covid-19 – doença causada pelo novo coronavírus (Sars-coV-2) -, foi a forte e inteligente liderança da primeira-ministra Jacinda Ardern. 

“O cenário atual é reflexo, sobretudo, da resposta rápida da primeira-ministra Jacinda Arden assim que os primeiros sinais do vírus surgiram no país”, disse a repórter Rafaella Oliveira, da Veja. 

Leia os tópicos abaixo e entenda como foram as bases estratégicas do combate à pandemia pela Nova Zelândia:

Lockdown

Essa foi a medida mais importante para ajudar a diminuir a transmissão do coronavírus no país, que adotou o bloqueio total no dia 25 de março de 2020. 

Antes mesmo de alguma morte ser registrada, a primeira-ministra Jacinda Ardern decretou o lockdown. Dentre as regras de restrição, estavam:

  • As pessoas são instruídas a ficar em casa e em sua bolha.
  • As viagens são severamente limitadas.
  • Todas as reuniões são canceladas e todos os locais públicos são fechados.
  • Fechamento de empresas, exceto para serviços essenciais – por exemplo, supermercados, farmácias, clínicas, postos de gasolina e serviços de linha de vida permanecerão abertos.
  • Instituições estudantis fechadas.
  • Racionamento de suprimentos.
  • Repriorização dos serviços de saúde.

As regras só ficaram mais brandas quando se confirmou a diminuição dos casos e ausência de óbito. 

Mas mesmo quando apenas um caso é confirmado, os alertas se acendem novamente pelo menos na região onde ele foi registrado.

Ou seja, as restrições retornam, com o nível de acordo com a necessidade da situação.

Governo exemplar

Não é à toa que a Nova Zelândia divide o topo da lista de países menos corruptos do mundo com a Dinamarca, segundo o Índice de Percepção de Corrupção 2020.

Sua primeira-ministra, Jacinda Ardern, diminuiu seu próprio salário em 20% por seis meses logo após o início da pandemia. 

O exemplo já começou de cima com essa demonstração de humildade e de igualdade.

Socorro financeiro

O Governo da Nova Zelândia respondeu às reclamações sobre a economia do país injetando aproximadamente R$ 50 bilhões (NZ$ 12,5 bi), auxílio este que foi transmitido dos trabalhadores aos pequenos empresários. 

E vale lembrar, também, que mesmo em meio à pandemia de Covid-19 no mundo, o país foi capaz de aumentar o salário mínimo no primeiro dia deste mês, além de aumentar o imposto sobre os mais ricos.

Incentivo ao uso de máscara

Depois que comprovado que uma das mais eficazes maneiras de evitar a transmissão do novo coronavírus é com o uso de máscaras, o governo neozelandês fez uma super campanha para incentivar seu uso. 

Agora, no país, mesmo com o retorno das atividades, ainda sim o uso de máscara é obrigatório no transporte público. 

Fronteiras fechadas e criação do MIQ

O país não conseguiu conter a pandemia só por ser totalmente ilhado naturalmente, mas por ter fechado suas fronteiras desde o surgimento dos primeiros casos. 

Visitantes nem interessados em imigrar para a Nova Zelândia têm permissão para entrar no país, salvo os próprios kiwis, cidadãos neozelandeses e pessoas que possuem o visto de residência.

Para que essas pessoas possam resolver quaisquer problemas fora das ilhas, é preciso que retorne e passem pelo menos 14 dias numa instalação MIQ (Managed Isolation and Quarantine). 

Durante a estadia na instalação, os viajantes precisam passar por testes e obter o resultado negativo para, então, sair após esse período do local e poder desfrutar do país.

Mas é preciso ficar atento ao site do MIQ para eventuais mudanças de estratégias, que podem ter regras mais duras.

Vida normal?

É claro que de tempos em tempos, surgindo alguns casos de Covid-19, as coisas possam mudar de cenário nas terras kiwis. 

Mas aí é só lembrarmos que a vacina da Pfizer (Biontech) já está sendo aplicada na população da Nova Zelândia.

Além do mais, a previsão de que todos sejam imunizados é de até o fim deste ano.

Tudo isso, em comparação a países como Estados Unidos, Brasil e Índia (os países mais impactados pela pandemia do novo coronavírus no mundo), parece até um sonho, não é?

Ah, e nunca deixar de fazer nossa parte. Um dia, quem sabe, possamos nos ver livres da pandemia não só na Nova Zelândia, mas em todo o mundo.

Veja mais:

Cálculos dizem que a pandemia do novo coronavírus deve durar 7 anos

Compartilhe este post com seus amigos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Veja mais postagens que você pode gostar

Se inscreva na nossa newsletter

Não perca nenhuma novidade. Receba tudo no seu email.
Fique tranquilo, não mandamos spams.