Cálculos dizem que a pandemia do novo coronavírus deve durar 7 anos

Cálculos dizem que a pandemia do novo coronavírus deve durar 7 anos

Com a criação da vacina, a esperança de um mundo sem a pandemia do novo coronavírus se acendeu, dando espaço para expectativas quanto ao futuro. 

Mas um cálculo feito pela empresa de dados Bloomberg aponta para um longo período de 7 anos que ainda teremos que conviver com o novo coronavírus. 

Isso quer dizer que podemos viver com necessidade constante de isolamento e medidas de segurança como máscaras, higiene frequente das mãos e distanciamento social por muito mais tempo do que podíamos imaginar lá no começo, quando a quarentena significava um período de apenas 40 dias. 

Como o cálculo foi pensado

Os especialistas em dados da empresa Bloomberg utilizaram diversas possíveis variantes diante do cenário atual para concluírem seus cálculos. 

A quantidade de vacinas, de doses, a rapidez na obtenção de insumos e até uma possível vacinação em crianças foram utilizadas para compor o resultado final da pesquisa. 

Os cálculos não levaram em conta qualquer nível de imunidade natural experimentado por aqueles que já tiveram o vírus.

Alguns especialistas acreditam que alguma imunidade é oferecida após uma infecção, mas ainda não está claro por quanto tempo ela dura.

Para a empresa, é importante olhar para o quadro global porque a pandemia é um evento global por definição.

Então, se um país não atingir a imunidade de rebanho, o vírus pode se estabelecer lá e ser exportado para outras nações, arriscando um ressurgimento internacional.

A demora na vacinação

Mesmo que as vacinas criadas tenham sido testadas e aprovadas rapidamente para o uso, ainda há diversos impasses para a conclusão de vacinação. 

São pelo menos 7,79 bilhões de pessoas em todo o planeta segundo a ONU. Por esse número expressivo, a imunização coletiva no mundo pode demorar.

Alguns países poderão encerrar suas campanhas mais cedo que outros, como Israel, por exemplo.

Em Portugal, a previsão é de quatro anos para vacinar toda sua população, embora o governo tente alcançar esta marca ainda este ano.

Já os Estados Unidos pretendem completar sua imunidade coletiva antes do Ano Novo de 2022.

A OMS reclama da disparidade na vacinação

O chefe da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse a repórteres que, embora o número de vacinas Covid-19 administradas (115 milhões) tenha ultrapassado o número de infecções em todo o mundo (104 milhões), mais de três quartos das vacinas foram distribuídas em apenas 10 ricos países.

Em suma, pelo menos 130 nações – que somam 2,5 bilhões de habitantes – não administraram sequer uma dose da vacina contra o novo coronavírus.

“A menos que suprimamos o vírus em todos os lugares, podemos acabar de volta à estaca zero”, disse o chefe da OMS.

Tedros ainda conclamou os fabricantes de vacinas a implementarem “um aumento massivo na produção”.

O cenário pode mudar

Não se descarta a possibilidade do cenário atual ser modificado por alguns fatores como a ineficiência da vacina contra as variantes que surgiram na África do Sul e no Brasil, por exemplo. 

Ainda mais em países cujos habitantes possuem sérios problemas com saneamento básico, falta de atendimento hospitalar adequado, deficiência de informação sobre a Covid-19 e muitos outros fatores.

Sobretudo, a mudança também pode ser positiva, caso novas vacinas surjam e suas produções sejam aumentadas, podendo diminuir a duração da pandemia do novo coronavírus.

Veja mais:
Covid-19: Desafio da Nova Zelândia é alcançar a imunidade coletiva

Compartilhe este post com seus amigos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Veja mais postagens que você pode gostar

Se inscreva na nossa newsletter

Não perca nenhuma novidade. Receba tudo no seu email.
Fique tranquilo, não mandamos spams.